contato@maurelioadvogados.com.br
11 3221-3378

TST rejeita alegação de prova falsa em processo de terceirizado contra empresa de Telefonia

TST rejeita alegação de prova falsa em processo de terceirizado contra empresa de Telefonia

Em 25/06/2015

A Subseção II Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) do Tribunal Superior do Trabalho desproveu recurso da Oi S.A. (Brasil Telecom) em ação rescisória na qual pretendia desconstituir decisão que a condenou subsidiariamente pelas verbas trabalhistas de um empregado terceirizado. A empresa alegava que o advogado do trabalhador teria usado prova falsa e induzido o juízo a erro, mas o relator dor recurso, ministro Emmanoel Pereira, afastou as alegações de dolo processual.
Segundo o relator, os fatos apontados pela empresa na ação rescisória e no recurso ordinário (o fato de o advogado do empregado ter localizado trabalhadores em situação semelhante e ajuizado várias reclamações trabalhistas) não estão relacionadas a atos que impediram a sua defesa ou induziram o juiz a erro. O dolo capaz de rescindir uma decisão judicial transitada em julgado, segundo explicou, “é aquele que consiste em ardis praticados intencionalmente pela parte vencedora, contrários ao dever de lealdade e boa-fé, tais a paralisar ou dificultar a atuação processual da parte vencida, ou influenciar na apreciação do magistrado, afastando-o da verdade”.
Quanto ao argumento de prova falsa, o relator esclareceu que a decisão se baseou em prova emprestada (depoimento prestado em outra ação), utilizada com a concordância das partes. A prova falsa capaz de rescindir uma decisão transitada em julgado, segundo o ministro, é aquela cuja falsidade tenha sido apurada em processo criminal ou provada na própria rescisória.
Por último, o relator afirmou que a pretensão da Oi, fundamentada no inciso IX, do art. 485 do Código de Processo Civil, esbarra na Orientação Jurisprudencial 136 da SDI-2, uma vez que não houve erro de percepção pelo magistrado, mas mero inconformismo da empresa com a interpretação dos fatos e provas na decisão regional, o que não configura erro de fato, como alegado.
A decisão foi unânime, e já transitou em julgado.
(Mário Correia/CF)
Processo: RO-106200-79.2008.5.09.0000

Fonte: TST

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0