Mantido indeferimento de testemunha por troca de favores com sócio de academia.

 

Em 21/03/2016

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu do recurso dos sócios da academia Top Tennis, de Fortaleza (CE), contra decisão que desconsiderou depoimento de uma testemunha em processo movido por um professor de tênis. A Turma afastou a tese do cerceamento de defesa, pois ficou comprovada troca de favores entre um dos sócios e a testemunha, não tendo ela, portanto, isenção necessária para ser admitida no processo.
Na ação, o professor pedia reconhecimento do vínculo de emprego com a Top Tennis, instalada nas quadras da Faculdade Integrada do Ceará (FIC). Os sócios negaram o vínculo, afirmando que arrendavam as quadras e tinham parceiros autônomos como professores. Segundo eles, o professor não tinha subordinação, tinha outras atividade e parcerias e os serviços eram eventuais.
Duas testemunhas confirmaram a versão do professor, de que dava aulas de tênis de segunda a sexta-feira e um sábado por mês. Uma testemunha da academia, por sua vez, endossou a versão patronal, afirmando que não tinha carteira assinada e dava aula à medida que os alunos apareciam, ficando com 50% e repassando os outros à Top Tennis.
Essa testemunha, porém, teve sua carteira de trabalho assinada, sem trabalhar, pela Mil Frios Distribuidora de Produtos Alimentícios Ltda., de um dos sócios, por duas ocasiões – uma para receber salário maternidade da Previdência Social e outra para receber o seguro desemprego. Essas circunstâncias convenceram o juízo da 6ª Vara do Trabalho de Fortaleza de que a testemunha não tinha isenção para depor, e seu depoimento foi desconsiderado como meio de prova da relação autônoma alegada. O Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (CE) manteve a decisão, rejeitando preliminar de cerceamento de defesa.
No recurso ao TST, os sócios reiteraram a tese do cerceio de defesa, mas o relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, concluiu, com base no acórdão regional, que a testemunha não tinha isenção necessária para ser admitida no processo, afastando assim violação do artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal. Segundo o relator, para concluir de forma diversa seria necessário reexaminar as provas, procedimento vedado pela Súmula 126.
A decisão foi unânime.
(Lourdes Côrtes/CF)
Processo: RR-8-90.2010.5.07.0006

Fonte: TST

ENTREVISTAS

Roberto Troster Bovespa Mais: para crescer, programa precisar aliviar rigidez

ARTIGOS

STF, sigilo bancário e anistia Flávia Guimarães Leardini Disparidade de gênero: O grande paradoxo social e democrático brasileiro Raquel Elita Alves Preto Ser mulher dá trabalho Sylvie Boëchat Prisão do Vice-Presidente do Facebook. É preciso chegar neste nível? Rony Vainzof Redução da alíquota de ICMS da energia elétrica e serviços de comunicação José Eduardo Ramos A liberdade, o Supremo e a Constituição Cleber Lopes Supremo relativizou cláusula pétrea Miguel Pereira Neto 2016 será o ano da Reforma da Previdência? Sérgio Henrique Salvador Delação premiada versus Delação avacalhada José Marcelo Menezes Vigliar O Triplo X, o tríplex, a Bancoop e a OAS Luiza Santellli Mestieri Duckworth Crise, recuperação judicial e falência Ronaldo Vasconcelos Estabilidade da gestante nos contratos com prazo determinado Marcia Bello Lava-Jato: não há crime perfeito Thiago Gomes Anastácio Os Estados estão fechando o cerco na substituição tributária Ana Paula Oriola De Raeffray Crimes cibernéticos: a prevenção é melhor Carla Rahal Benedetti A idade mínima e a reforma da Previdência Lilian Gouveia Garcez Macedo Aumento de tributos por MPs somente poderá ser feito em 2017 Mary Elbe Queiroz Inadimplente contumaz Mário Luiz Delgado A incorporação da variável ambiental nas licitações públicas João Emmanuel Cordeiro Lima 70 anos da Lei Malaia Mário André Machado Cabral O veto à desaposentação André Luiz Domingues Torres Bloqueio do WhatsApp é sanção descabida Luiz Gustavo de Oliveira Ramos Demandas operacionais da nova regra do ICMS sobre vendas não presenciais Silvio Saiki O momento de reavaliar a Lei Anticorrupção Guilherme San Juan Araujo Não existe brasileiro acima da lei! José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro Não se pode atribuir ao prefeito prática de improbidade sem prova de todos os elementos Marcio Cammarosano O Incidente de desconsideração da personalidade jurídica na execução fiscal Fernanda Approbato de Oliveira O Direito do Trabalho e a tragédia em Mariana Daniel de Castro Magalhães A saúde e o Judiciário Ana Paula Oriola De Raeffray As novidades do PPE: desde a MP 680 até a recente Lei 13.189/2015 Ricardo Souza Calcini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *