Grandes valores inscritos na dívida ativa serão cobrados por meio digital.

 

Em 19/10/2015

Nos próximos meses, a tecnologia será usada para recuperação de grandes valores inscritos na dívida ativa da União. Em novembro, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) cobrará de forma eletrônica os débitos de até R$ 1 milhão. Em dezembro, o limite será extinto, e o procedimento digital será aplicado sempre que a dívida puder ser protestada, independentemente do valor.
Até agora, a PGFN emitia protestos extrajudiciais eletrônicos de dívida ativa da União apenas para débitos de até R$ 50 mil. Na modalidade de cobrança eletrônica, as certidões de dívida ativa da União são encaminhadas por meio de sistema eletrônico aos Tabelionatos de Protesto de Títulos, juntamente com os respectivos documentos de arrecadação. De acordo com a PGFN, o órgão estima que a ampliação do limite permita a recuperação, por meio digital, de R$ 4,65 bilhões devidos à União.
Instituído em 1997, o protesto extrajudicial de certidão de dívida ativa da União consolidou-se como um mecanismo que aumenta a velocidade de recuperação do dinheiro para os cofres públicos ao evitar a necessidade de que o devedor seja acionado na Justiça. Em 2013, a cobrança passou a ser eletrônica, com base em um acordo de cooperação entre a PGFN e o Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil.
Inicialmente, o sistema eletrônico de protesto extrajudicial permitia a cobrança de dívidas de até R$ 20 mil. No primeiro ano, 45.610 certidões da dívida ativa foram levadas a protesto pela PGFN pelo novo meio. Em 2014, o limite passou para R$ 50 mil por dívida. Segundo a PGFN, a quantidade de certidões da dívida ativa protestadas foi quase multiplicada por dez, passando para 402.302. Em 2015, 787.541 títulos foram encaminhados aos cartórios por meio da modalidade eletrônica.
Com a inclusão das dívidas de maior valor, o total de débitos que serão levados a protesto pelo sistema eletrônico nos próximos meses somam R$ 34,3 bilhões. A PGFN espera reaver pelo menos R$ 2,75 bilhões com o protesto de valores de até R$ 100 mil, caso a média de 18,3% de recuperação seja mantida. Nas dívidas entre R$ 100 mil e R$ 1 milhão, a procuradoria espera arrecadar até R$ 1,9 bilhão, se tiver sucesso em pelo menos 10% das cobranças.
Segundo a PGFN, o órgão está concluindo os estudos para apresentar ao Congresso Nacional uma proposta de reforma da lei de execução fiscal. O governo quer evitar o ajuizamento em massa de execuções fiscais sem viabilidade econômica e acelerar a cobrança, por meios alternativos, das execuções fiscais dos grandes devedores, que correspondem atualmente a 0,93% dos devedores e a 65% do valor em cobrança.

Fonte: Agência Brasil

ENTREVISTAS

Felipe Rocha Sistema tributário desequilibrado prejudica as garantias constitucionais

ARTIGOS

Isenção de ITBI para os imóveis comprados para empresas com economia tributária Gilberto de Jesus Bento Junior Caixa (preta) de água Kleber Luiz Zanchim TJ-SP afasta necessidade de apresentação de CND para concessão de recuperação judicial Guilherme Camará Moreira Marcondes Machado E-commerce e defesa aos consumidores Ricardo Kalkevicius A arte de contratar empregados Gilberto de Jesus da Rocha Bento Jr As inovações e mudanças no Código de Defesa do Consumidor Luiz Gustavo de Oliveira Ramos e Juliana Christovam João Segregação do espaço público Adilson Abreu Dallari, O novo CPC e a esperança de um processo mais justo Sérgio Henrique Salvador O uso de aplicativo em acordos judiciais trabalhistas Marcia Bello Consumidores de planos individuais podem rediscutir cláusulas abusivas de planos coletivos Jose Roberto Camasmie Assad Os 25 anos do CDC e o papel da internet na solução dos conflitos Cesar Alexandre Marques Incorporação de empresas e os direitos do trabalhador Vitor Monaquezi Fernandes O valor de uma campanha José Nantala Bádue Freire e Fabio Martins Di Jorge Princípio da estrita legalidade tributária e função extrafiscal Allan Moraes Os recursos criminais e a impunidade Renato de Mello Jorge Silveira Receita cria fatos presuntivos de sonegação Cláudio Lopes Cardoso Júnior Famílias paralelas Mário Luiz Delgado Uber: repensando o foco das discussões Ademir Antonio Pereira Júnior 13 anos do PIS não cumulativo. Será que há o que comemorar? Marcello Maurício dos Santos Aumento do ITCMD causa preocupação Verônica Sprangim Trajetos e trajetórias do casamento homoafetivo nos EUA Lucas Bulgarelli Ferreira Candidatos à OAB têm visão embaçada da advocacia e de seus problemas Ulisses César Martins de Sousa Voluntariado sem riscos trabalhistas Priscila Pasqualin Afonso de Souza e Thiago de Carvalho e Silva Imóvel rural sem matrícula adquirido por usucapião deve averbar reserva legal Pedro Luiz Serra Netto Panhoza O momento é de coragem, sem golpe e sem corrupção José Horácio Halfeld Rezende Ribeiro Drogas: genocídio a prazo dos brasileiros Ricardo Sayeg Governança nas estatais e o fortalecimento das políticas de indicação dos dirigentes Diego Valois Do arrolamento de bens do devedor tributário Antonio Carlos Morad Perto do fim Alexandre Zanetti Nova MP sobre planejamento fiscal poderá ter mesmo destino da anterior: a rejeição pelo Congresso Marcos Vinícius Barros Ottoni

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *